Mexa comigo, mas não mexa com meu ídolo!

quarta-feira, 5 de maio de 2010
O que faz uma pessoa se deslocar de outro Estado para assistir ao show do Metálica, Aerosmith, Madonna, ou qualquer outro artista internacional e, além disso, pagar uma fortuna pelo ingresso? Ou se acabar em meio à multidão, chorando, desmaiando, se esgoelando quando o ídolo está no palco? Antes de me tornar um fã, achava ridículo o que algumas pessoas eram capazes de fazer por seu artista favorito. Esse negócio de seguir o artista em suas apresentações ao vivo, pesquisar sua vida pessoal, acompanhar novidades, tirar fotos, gritar, chorar, achava isso uma idiotice. Entretanto, sou um ridículo também, até porque todo fã de verdade é um apaixonado, e todo apaixonado é bobo e deveras um chato.

Falar mal do artista favorito é um insulto, é comprar uma briga feia. Lembro que brigava sempre com uma amiga da faculdade porque fazia críticas a Cládia Leite, ela ficava revoltada e retribuía falando mal do Pato Fu, minha banda favorita, não chegávamos a um consenso nunca, impressionante. Nesses casos temos que ser tolerantes, porque nem todos são obrigados a ter o mesmo gosto, mesmo que seja duvidoso. Vale ressaltar, que é preciso dosar o fanatismo, porque alguns beiram a loucura, basta lembrarmos de casos de fãs que assassinaram seus ídolos, como no famoso episódio de John Lenon.

Acredito que tem dois tipos de fãs, aqueles que são tão cegos pelo artista que tudo feito por ele é lindo, maravilhoso, surpreendente, são os tipos de fã mais apaixonados pelo artista do que pelo seu trabalho, esses são os mais chatos. Já a outra categoria de fã, na qual me encaixo, são os que, apesar de apaixonados e defensores até a morte de seu ídolo, sabem ter uma visão crítica sobre o trabalho do artista, capazes de reconhecer quando ele vacilou, ou fez um trabalho aquém do seu talento.

Enfim, ser fã é admirar seu ídolo, amá-lo, sentir a energia que ele transmite através da música, defende-lo contra tudo e contra todos independente de seus defeitos e boatos contra ele. E apesar de não se conhecerem, a relação entre o fã e seu ídolo é muito forte, a cumplicidade nunca terminará, esse é o ponto mais interessante dessa relação. É como uma adoração religiosa. Só quem é fã é capaz de entender esse sentimento. É por isso que toda vez que meu artista favorito entra no palco, grito, canto junto com a música, choro toda vez que me sinto emocionado, e tiro diversas fotos, mesmo já tendo várias, peço autográfo. Conclusão: Todo fã é um bobo e consequentemente um chato.

29 comentários:

D! disse...

''Todo fã é um bobo, consequentemente um chato'' verdade! kk' que é fã sempre vai defender seu artista preferido! Gostei do texto!


Visite meu blog tbém:
http://puttzeagora.blogspot.com/

Daniel Silva disse...

ah, cara. existem fãs e fãs. os do los hermanos são os mais chatos, de certeza. sou fã deles, mas não sou tão besta quanto o pessoal. por mim, que falem mal do meu ídolo. o que importa é a música.

abraço

Tatiana disse...

Nossa.. já subi na armação do palco pra dar umm ursinho e várias cartas imensas de declarações de amor ao leandro do klb na minha adolescencia... Mas hj eu to mais tranquilinha. vou aos shows, compro os cds.. essas coisas assim, bem normais. Mas tem muita gt muito ,muito mais loucaaa por aii

Cíntia L. Freitas disse...

Muito bom o post! Te achei pelo orkut.

Eu sou o segundo tipo de fa, com certeza. Mas nao sou chata, vai. haha!

seu post me lembrou um do meu blog, sobre tipos de fila! Me visita!

http://cintiadisse.blogspot.com/2008/07/carteira-de-habilitao-parte-1.html

Vou ler mais do seu!

E. B. Israel disse...

Muito bom o blog e mto bom o texto.
Sou musico, n do tipo q tm fãs,mas q é fã de mta gnt e ja me deparei com alguns "alucinados" pelo seu artista.

Marcela disse...

Olá Ítalo,

Entendo e muito o que aqui relacionou, uma vez que já fiz e faço muitas loucuras/sacrificios para ir a um possível show.

E como é boa a sensação, tantas histórias para dividir, tantas pessoas para conhecer, enfim tanto amor/loucura para passar...

Embora, ser chato ou não é uma questão muito interpessoal, uma vez que trata - se de gêneros/individuos distintos com gostos diferentes tbm.

Se quiser e puder:

http://memoriaspsicodelicas.blogspot.com

Talles azigon disse...

é realmente é uma loucura que pode trazer uma sensação tão boa, lembro quando fui a palestra do Manoel de Barros e fiz o impossível para ter com ele, foi doido mais sabe, é algo que alimenta a alma, é idiota mais é bom

indivídua disse...

ótimo post... acho que os fãs choram por verem no ídolo um pedaço de seus sonhos...

http://celuliteseoutrasestranhezasdemulher.blogspot.com/

Tiago Dadazio disse...

É PRA FAZER ANALISE ECONÔMICA SOBRE O GIF.

Gabriel Pozzi disse...

Hey mestre!!
Não citei seu blog ou seu comentário atoa, eles valem a pena de serem mostrados mesmo!
Obrigado pelo carinho, irmão! :)

estou no trabalho, então estou um pouco na correria, mas passando pra avisar que volto aqui (hoje ou amanhã) para ler seus dois ultimos posts e comentar!!

um abraço cara, e novamente, valeu pelas visitas e "parceria"! :D

http://songsweetsong.blogspot.com/

Adriano disse...

E verdade eu tbm nao sei o pq das pessoas criticaremdo seu idolo, quando eles nao gostam!!
Eu adoro Sandy Junior, e todo me criticam por isso, me uma raiva muito grande!! Eu nao estou pedindo e nem obrigando alguem ouvir o que eu gosto de ouvir, entao nao critica!!

abraços!!!

Fernando disse...

Certíssimo!
Fã que é fã, meeeesmo, comporta-se do jeitinho que descreveu.

Só tomar cuidado com o fanatismo e com a intolerância do gostar alheio. Pronto! Seja feliz.

abs,
seuanonimo.blogspot.com

Leonardo Ribeiro disse...

É verdade

Caetano Lorenzetti disse...

Sou fanático pelo meu time, mas aceito críticas..

http://analisefc.blogspot.com/

Marcio disse...

Fato!ótimo post cara

Vanda Ferreira disse...

"Vale ressaltar, que é preciso dosar o fanatismo, porque alguns beiram a loucura"

Perfeito!

Ser fã é ser um admirador assíduo do ator, cantor ou da banda em questão. Agora, ser fã não é ser doente, não é ser fanático e muito menos fora do controle a ponto de cometer barbaridades como invadir camarim, por exemplo, seguir o famoso e etc.

Devemos dosar o nosso carinho pela outra pessoa... gostar, mas sem excessos.

Adorei o blog. Virei sua seguidora!
Obrigada pelo comentário no meu blog.

Sucesso!

Vanda Ferreira: http://vanda-ferreira.blogspot.com/

esdras b disse...

Entendo a paixão exacerbada por um artista, afinal tenho os meus preferidos tbm, mas ñ consigo ter esses ataques histéricos que vejo mtos terem, sou das paixões mais tranquilas, serenas. Meus "ídolos" me inspiram um sentimento mais calmo, mas confesso que me rasgo por dentro ao escutá-los, rsrsrs!!!
Abços!!!

Jeh Pagliai disse...

"...Conclusão: Todo fã é um bobo e consequentemente um chato." disse td em apenas uma frase! Realmente, temos uma fase que somos fãs incondicionais e, passado um tempo, olhamos e percebemos o tão "toscos" fomos. Na minha, foi de Backstreet Boys, nuss...rs

ADOREI, rs

Beijinhos

---
www.jehjeh.com

Tiago disse...

Concordo 100% com esse post

E uqanto á gostos "cada cabeça uma sentença"

Diego disse...

Muito boa sua sacada sobre a sacrosantistia dos ídolos, Ídolos representam algo de nós que nunca pode ser concretizado, o ídolo representa o idealismo, são heróis e heróis devem ser preservados, não por eles mas por nós - precisamos dos ídolos mais do que eles precisam de nós.

Lelê Mafalda disse...

O mais importante é respeitar as diferenças, seja pra gritar histericamente pra alguém que está no palco ou pra quem assiste o show quieto no cantinho. As atitudes não mensuram o gostar de alguém ou de banda, as formas de se expressar são muitas, e ter certeza disso basta.

Marcela Barreto disse...

Olá Ítalo,

Passe no meu blog, tem um selo para você, na opção selos.

http://memoriaspsicodelicas.blogspot.com

um abraço!

Cristiano Contreiras disse...

Abaixo a idolatria e histerismo que beira À euforia esquisitóide!

Parabéns pela proposta do blog, de muita atitude e inteligência!

te sigo!

Macaco Pipi disse...

ídolos é o caraio
coisa melhor pra se preocupar

Mikael Moraes disse...

acho q acima de tudo deve haver respeito, sempre tomando cuidado para não ofender ninguém. eu escrevi uma matéria no meu blog qdo conheci o meu ídolo. confere lá:

http://mikaelmoraes.blogspot.com/2010/05/o-dia-que-o-craque-conheceu-o-idolo.html

Gabriel Pozzi disse...

Agora sim, vim aqui e olhei com calma seus dois ultimos posts! :D
Suponho também estar nessa parte dos fãs que tem senso crítico, em momento algum eu sou alienado mesmo com minhas bandas preferidas, pois seus integrantes não são deuses que não erram, são humanos - bem talentosos por sinal!

Antigamente eu debatia gosto musical, ouvia falarem mal de bandas que eu gostava e falava o que queria em resposta às bandas preferidas de meus amigos... Se vc considerar que eu já fui em shows de Oasis e Coldplay, pode imaginar o quanto sofri com pessoas me enchendo por gostar dessas bandas... No entanto, hoje em dia parei com isso, se alguém vem falar besteira, com educação eu peço que ela respeite meu gosto, e no fim sempre acabo com um gostoso debate sobre música em geral, que é muito melhor do que gastar sua mente tentando denegrir a imagem de outras bandas ou tentando defender suas bandas favoritas de críticas alheias, certo?

Mas no fim, ninguém gosta que falem mal de seu ídolo, afinal, somos bobos e chatos, não é mesmo?

Um abraço, e tem coisa nova no SsS!

http://songsweetsong.blogspot.com/

Pedro disse...

Concordo, quando somos fãs de um artista, defenderemos ele de qualquer maneira, eu sou assim.
NÃO SUPORTO ALGUÉM CRTICANDO A FIONA APPLE!!

=)

jaka disse...

legal o texto, mas tem muito idolo por ai com excesso de estrelismo, acho que artista nenhum deva ser vangloriado com tamanha idolatria, isso so envaidece mais o ego deles, e ficam se achando superiores, acho que a humildade tem que prevalecer!

Águas Escuras disse...

Defendemos aquilo em que acreditamos. Ter um idolo nos faz bem, é algm que chegou em algum lugar que admiramos, e ou talvez queriamos estar. Defender um idolo é se auto defender. Vale a pena, engrandece, ainda mais quando se entende quem é você e quem é o idolo.

Gostei do texto.

Postar um comentário