O fervor criativo da Tropicália

terça-feira, 9 de outubro de 2012

Em uma antiga postagem, que está entre as mais vistas do blog, eu falava da importância da Tropicália, um movimento cultural que transformou a MPB e causou muito barulho no final da década de 60. Hoje, todos reconhecem a importância da Tropicália na música e cultura nacional, mas, na época, as vaias e a rejeição eram quase unânimes. O Brasil vivia assim dois tipos de ditadura, a militar e a da MPB conservadora, que defendia a música brasileira sem qualquer intervenção ou influência estrangeira. O movimento criado por Caetano Veloso e Gilberto Gil é o produto do documentário – Tropicália, que está em cartaz em todo Brasil.

O movimento durou menos de dois anos, mas foi o suficiente para se consagrar como a última vanguarda musical. O documentário traz imagens raras e tem uma produção muito caprichada. O filme, num primeiro momento, volta no tempo para traçar o perfil dos seus personagens principais, mas focando o período entre 1967 e 1969, no qual o movimento aconteceu de fato. Depois avança até o início dos anos 1970 para mostrar o período de exílio de Caetano e Gil na Inglaterra.

O filme retrata vários momentos marcantes, entre eles a apresentação de Caetano e Gil no III Festival da Música Popular Brasileira, da TV Record, em 1967, que foi o marco inicial do movimento. Mostra ainda, o arrepiante episódio em que Caetano é vaiado ao cantar “É Proibido Proibir”, no III Festival Internacional da Canção, 1968, e o seu discurso inflamado: “Se vocês forem em política como são em estética, estamos feitos”. Enfim, o documentário traz registros pouco conhecidos, inclusive para os tropicalistas, como, por exemplo, a apresentação de Caetano, Gil e mais alguns amigos no Festival da Ilha de Wight, em 1970. Há depoimentos e presença de outros personagens, entre eles, Tom Zé, Nara Leão, Gal Costa, Torquato Neto, a turma dos Mutantes. Várias cenas arrepiam a gente pela efervescência criativa que foi o movimento.

Vale muito a pena ir ao cinema para assistir ao documentário Tropicália e conferir um dos momentos mais criativos e inteligentes da música brasileira.


22 comentários:

Macaco Pipi disse...

Essa época foi de ouro!!

http://www.ziqzira.com.br/

Aline Diedrich disse...

Sempre há resistência para as novas manifestações culturais e neste caso pior ainda pela fase que o país passava... Vou conferir o vídeo...

Juan Dias disse...

Ha os anos dourados kkkk gostei do post


http://snestalgia.blogspot.com.br/

Jefferson Prime disse...

muito louco o post..tropicalia era meio tensaa...kkkkk!!!

Jeniffer Haddad disse...

Acho que já ouvi falar do movimento, só acho KK
Aquela época devia ser até legal, musica de verdade, mas infelizmente numa ditadura.

http://monstroc.blogspot.com.br

Grazii disse...

Acredito, que pelos comentários e reportagens que já vi sobre o movimento Tropicália, é que foi um marco para a sua época. Pois tinha a maldita ditadura, onde as pessoas não tinham a liberdade de expressão.

http://marretada.zip.net/

Zetrusk disse...

Gostei do texto, muito bem explicativo.

Cafajeste Sedentário disse...

Gosto do teu blog. Textos sóbrios sobre boas músicas. Sempre atendendo a vários gostos músicais,parabéns. Uma hora dessas podia fazer um post para a galera do rock clássico,sei lá,stones ou zeppelin... fica a dica :)

Morgan Nascimento disse...

Olá, parabéns pelo blog!
Se você puder visite este blog:
http://morgannascimento.blogspot.com.br/
Obrigado pela atenção

Marco disse...

faz parte da cultura brasileira, mas curto pouca coisa de mpb, só alceu valença mesmo.

Tati disse...

Você sempre com posts imensamente bons de ler! [que alívio, meio a tanta bobagem pelos blogs...]

Gosto da Tropicália [e ia assistir o documentário essa semana, mas tive de adiar para a próxima!]

Lucas Adonai disse...

HAHAHAHA com certeza, marcou!

Ron Bragio disse...

post bem interesante, nao sou chegado emmpb,mais ta valendo! =D

Paulão Fardadão Cheio de Bala disse...

Tropicália de abacaxi, pq a manga teve o maior aumento das frutas, disse ontem no jornal.

Paulão Fardadão Cheio de Bala disse...

Não é bom limpar os ouvidos com cotonete. Machuca as tripas auditivas e faz a gente gerar surdez.

Vitor disse...

Eu dei uma olhada em outro documentário que fala justamente do "lançamento" da Tropicália. "Uma noite em 67" que fala do festival onde Gilberto Gil e Caetano Veloso tocam com bandas de rock e ainda assim são ovacionados pelo público. Mesmo naquela época. Excelente texto!

Dá uma olhada no meu? http://entrepalavrasenotas.blogspot.com

AquilesMarchel disse...

preciso desse filme
e otimo blog
vi uma materia do ludov aqui que foi foda

Juan Dias disse...

mais ai rola ou ão muita sacanagem?

Matheuslaville disse...

Música boa.

mr.long disse...

não curto esse movimento.

Guilherme Augusto disse...

Diferente do que é visto hoje... os artistas refletiam sobre algo em suas músicas...

Zetrusk disse...

Sim, reflexão em músicas, críticas, tudo isso junto é muito bom.

Postar um comentário